Filme

Filme Encanto: a protagonista que não tem poderes sobrenaturais

Mary Grace Andrioli
Escrito por Mary Grace Andrioli em janeiro 6, 2022
Junte-se a mais educadores

Entre para nossa lista e receba novidades com prioridade

Na maior parte dos filmes as princesas ou heroínas possuem um poder especial ou ainda se deparam com algo mágico para superar seus grandes desafios. Parece ser muito dificil “vencer” sem tais elementos não é?

Em Encanto, o “dom” ou poder sobrenatural também está presente, mas não para Mirabel, a  personagem que protagoniza a trama e representa a humanidade “sem filtros” que há em cada um de nós. 

Encanto é também um filme sobre famílias (im)perfeitas como todas são. É sobre sentir-se ou não aceito e também sobre o peso das expectativas em nossas vidas.

Na familia Madrigal todos os membros receberam dons especiais como por exemplo: força, empatia pela natureza, alta capacidade de escuta, dentre outros. O fato de Mirabel não ter ganho nenhum destes super poderes causou uma preocupação na família e um estranhamento de todos ao seu redor, inclusive por parte dela mesma. 

No início da história é provavel que fiquemos intrigados e até aflitos com o fato da Mirabel ser a única a não ter um dom e também com as situações em que se sente deslocada em sua própria família e comunidade. É tentador torcer para que algum milagre ocorra ao longo da trama possibilitando que ela receba um dom especial igual ou até superior ao dos demais.

Mas o filme vai bem além ao nos provocar a refletir sobre o peso na vida dos que receberam as habilidades especiais e as expectativas criadas sobre eles. Será que gostariam de ser sempre assim? De fazer tudo que esperam deles? De não poder em nenhum momento agir simplesmente como humanos comuns?

Em nossa sociedade é possível pensarmos o quanto estes “dons” poderiam ser associados as diversas expectativas e cobranças colocadas sobre as crianças para que possam um dia “vencer na vida”. Sobre muitas delas há um pesado fardo para que atendam os anseios sociais. 

Tal como no filme, espera-se que muitos de nós já tenhamos conosco as diversas habilidades ou “softs skills” tão desejáveis no mundo corporativo.

Se as crianças manifestam grandes habilidades desde muito cedo, é como se não pudessem mais falhar para não frustrar as altas expectativas, muitas vezes manifestadas pelo excesso de elogios que não deixa de ser uma cobrança velada e adocicada.

E quem não manifesta alguma habilidade especial dentro de seu grupo social? Nesse caso, é como se houvesse algum problema, algo que precise ser investigado por fugir do “padrão esperado”.

Cabe destacar também a beleza das cenas e personagens com cabelos cacheados, crespos e até mesmo curtos, diferente da maior parte das princesas da Disney, como bem observou minha filha

De início a nossa curiosidade sobre o filme foi a partir da música “Não falamos do Bruno“. Por que o Bruno incomodou tanto a familia Madrigal a ponto de não poder ser mais lembrado e nomeado? Após ver o filme, este também passou a ser um ponto interessante para reflexão.

A trilha sonora tem letras interessantes e é muito gostosa de ouvir. A seguir algumas recomendações:

A seguir o trailer do filme:

Tentei não contar o filme por aqui, mas indico também estas outras análises:

TAGS: filme

Olá,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *